🔴 RÁDIO PULSAR - SUA RÁDIO CATÓLICA NO CENTRO DO PARANÁ

quinta-feira, 6 de maio de 2021

Foguete chinês descontrolado cairá na Terra nos próximos dias

O foguete Long March-5B, usado no lançamento do módulo central da Estação Espacial Chinesa na última quinta-feira (29), está retornando à Terra em uma descida descontrolada, podendo atingir áreas habitadas nos próximos dias, conforme relatou o SpaceNews.

Depois de colocar o módulo Tianhe em órbita, o impulsionador se separou dele. Porém, o primeiro estágio do Long March-5B também foi parar nesta região do espaço por algum erro, e o seu atrito constante com a atmosfera terrestre tem o arrastado cada vez mais para perto do planeta.

Viajando a 7 km/s, o estágio central do foguete chinês, que tem aproximadamente 30 metros de comprimento, 5 metros de diâmetro e pesa 21 toneladas, não deve se queimar por completo durante a reentrada, como normalmente acontece com outros tipos de lixo espacial menores, justamente por causa das suas medidas.

Espera-se que partes dele resistam às altas temperaturas e caiam em uma área indefinida. 

O local exato da queda não pode ser apontado, pois há várias incertezas envolvidas no cálculo do efeito do arrasto atmosférico da nave, como a expansão ou a contração da atmosfera, causadas pela atividade do Sol.

Possível trajetória do objeto

Apesar da dificuldade de estimar o local onde o foguete chinês irá cair e também de definir a data, a inclinação orbital do objeto, de 41,5 graus, indica a sua passagem um pouco mais ao norte de cidades como Nova York (EUA), Madri (Espanha) e Pequim (China), e ao sul do Chile e de Wellington (Nova Zelândia), segundo a publicação.

Sua queda deve acontecer em qualquer ponto dentro desta área, com uma maior possibilidade de que os destroços pousem no oceano ou em regiões desabitadas. 

Mas o alerta de risco para a população ainda permanece.

Conforme o astrônomo Jonathan McDowell, que classificou o erro da agência espacial chinesa como “inaceitável”, o evento será a maior reentrada descontrolada de espaçonaves dos últimos anos.

DA REDAÇÃO/ MARIA FARIAS

Nenhum comentário:

Postar um comentário