quarta-feira, 10 de fevereiro de 2021

Guarapuava - Julgamento de Luis Felipe Manvailer começa nesta quarta (10)

Após quase três anos da morte da advogada Tatiane Spitzner começa hoje (10), o julgamento do acusado de matar a mulher. 

Agendado para às 9h desta quarta (10) no Fórum de Guarapuava, tem como réu Luis Felipe Manvailer, que está preso na Penitenciária Industrial de Guarapuava (PIG).

Desde o dia seguinte da morte da advogada afirma que ela se jogou da sacada do edifício onde o casal morava. 

Após a queda do quarto andar do edifício na madrugada de 22 de julho de 2018, o acusado recolheu o corpo de Tatine, limpou marcas de sangue do elevador e fugiu, momento antes da chegada da polícia.

Toda a ação foi flagrada por câmeras de segurança. Ele é acusado feminicídio, qualificado por morte mediante asfixia e meio cruel, além de fraude processual.

Julgamento de Luis Felipe Manvailer começa nesta quarta (10) Nesta semana a defesa do réu preso se pronunciou e afirmou que espera que a comunidade de Guarapuava, faça uma avaliação justa do caso. 

Os advogados de defesa dele afirmaram que o julgamento será voltado às provas dos autos. 

“Estamos em Guarapuava desde o fim de semana e concentrados para júri. Existem várias novidades, a expectativa é de que a comunidade de Guarapuava se baseie nas provas dos autos, acerca do que realmente aconteceu”.

Além disso, a defesa dele ‘conclamou’ ao povo guarapuavano que ‘faça uma avaliação isenta’ e afirma que’ ele [Luis Felipe] não agiu corretamente pelo que mostram as imagens, mas muito longe disso é dizer que ele assassinou Tatiane Spitzner.

O MP está recuando em posições, não para de trocar testemunhas. Vamos agir com a maior humildade possível, de forma forte e incisiva’. 

A defesa de Tatiane emitiu nesta semana, uma nota em que afirmou “família está tranquila e confiante no veredito condenatório. 

Existem diversas provas, como o laudo do IML, que atesta que a morte se deu por asfixia, dentro do apartamento, além dos vídeos que mostram as agressões no carro, no elevador e das atitudes do réu após a morte de Tatiane, que limpou os vestígios e fugiu de carro”. 

DESDOBRAMENTOS 

Antes da primeira data prevista para o julgamento em dezembro, a defesa do réu informou que advogadas que defendem os direitos da mulher em diversos estados brasileiros se apresentaram para defender Manvailer.

Na ocasião, o advogado da família de Tatiane, afirmou na ocasião que “não [conhecia] nenhuma mulher que o [defendia]. 

Mas até Hitler teve apoiadores, muito mais do que este réu preso”. 

Além disso, nos dias seguintes, a defesa de Manvailer divulgou uma perícia feita pelo Instituto de Criminalística do Paraná a partir da extração de dados do notebook de Tatiane.

De acordo com o texto ela mantinha pensamentos suicidas frequentes e passava, aparentemente, por quadro agudo de depressão. 

Além disso, ainda na semana anterior a primeira data estabelecida, o réu preso falou pela primeira vez, em rede nacional sobre o caso. 

Na última terça (8), a defesa do réu preso tentou protocolar novas provas determinantes para a defesa.

Conforme as informações da defesa de Luis Felipe, um trecho de vídeo das câmeras de segurança do edifício onde a advogada Tatiane Spiztner morreu em 2018, possibilitaram laudos de leitura labial que comprovariam a tese de suicídio, sustentada desde o início das investigações pela defesa do acusado. 

No vídeo apresentado à Justiça, há o relato de um morador vizinho que teria visto o que ocorreu na madrugada da morte da advogada. 

Conforme um laudo de leitura labial do Centro de Perícias Curitiba, contratado pela defesa de Manvailer, quatro pessoas entram no elevador e uma delas afirma: “Eu vi ela se jogando, ai quando eu fui ligar pra polícia ouvi um barulho e pá”.

Conforme a defesa da Família de Tatiane, “o juiz mandou tirar dos autos os arquivos da defesa [Manvailer], pois foram juntados muito próximos à data do júri”. 

Os advogados dele foram procurados pela reportagem e afirmaram que não consideram que o indeferimento do juiz prejudique a estratégia da defesa do réu preso, pois o “conjunto de evidências demonstra que Tatiane caiu da sacada”. 

Porém, a rejeição “apenas reforça a necessidade de esconder a realidade dos fatos”. 

Sobre esta afirmação, os advogados de Tatiane afirmaram  que “os fatos já são todos conhecidos: Manvailer assassinou Tatiane e fugiu. Como ele preferiu não confessar, só lhe resta fazer alegações que não interessam aos fatos”. 

JÚRI 

No dia 17 de maio de 2019, a Justiça determinou que o réu ia a júri popular. Em 20 de julho de 2020, a Justiça novamente se manifestou. 

Desta vez, pediu o agendamento do júri. 

Por fim em 14 de setembro de 2020, a data ficou definida.

Entretanto, devido ao resultado positivo para covid-19 de um dos advogados, o júri foi adiado para 25 de janeiro, poucos dias depois, após conflito na agenda da defesa do réu preso, a data ficou fixada em 10 de fevereiro. 

O caso, que teve repercussão internacional, movimentou a opinião pública e ganhou notoriedade em todos os setores da sociedade pode ser um dos maiores júris da década no Brasil.

Isso porque o processo é complexo, e o inquérito e a instrução conflitam.

FONTE: RSN

DA REDAÇÃO/ MARIA FARIAS

Nenhum comentário:

Postar um comentário