quinta-feira, 4 de junho de 2020

Vacinação contra gripe é estendida até 30 de junho

A medida pretende garantir a taxa de cobertura vacinal, especialmente para os grupos prioritários de crianças de 6 meses a menores de 6 anos, gestantes, puérperas – até 45 dias após o parto – e adultos de 55 a 59 anos.

Foto: Geraldo Bubniak/AENOs paranaenses que pertencem ao público-alvo da campanha de vacinação contra a gripe têm agora até o dia 30 de junho para procurar as unidades de Saúde em todo Estado e se imunizar. A medida pretende garantir a taxa de cobertura vacinal, especialmente para os grupos prioritários de crianças de 6 meses a menores de 6 anos, gestantes, puérperas – até 45 dias após o parto – e adultos de 55 a 59 anos.
A expectativa da Secretaria de Estado da Saúde é alcançar a meta de 90% de cobertura vacinal de todos os grupos prioritários preconizados pelo Ministério da Saúde.
“Por conta do baixo número de cobertura vacinal em alguns grupos prioritários e seguindo as orientações do Ministério, a Secretaria decidiu prorrogar a campanha até o dia 30 de junho”, alerta o secretário de Estado da Saúde, Beto Preto. Segundo ele, é mais uma oportunidade para que os grupos de todas as fases que ainda não se vacinaram procurem as unidades de Saúde e se imunizem contra o vírus da influenza.
A campanha atingiu 80% do público-alvo total no Estado, estimado em cerca de 2,8 milhões de pessoas. Ainda assim, o índice de cobertura vacinal em alguns grupos preocupa.
Até o momento, a cobertura vacinal entre crianças de 6 meses a menores de 6 anos, por exemplo, é de apenas 48,5%. Nas gestantes, esse número é ainda menor, somente 43,85% tomaram a vacina contra a influenza; puérperas, 55,11%, e adultos entre 55 e a 59 anos foi de 41,53%.
“Precisamos imunizar o maior número possível de paranaenses elencados para evitar que adoeçam por influenza, e principalmente para prevenir as complicações e óbitos pelo vírus no Estado, contribuindo com o diagnóstico diferencial para a Covid-19”, explica a chefe da Divisão de Vigilância do Programa de Imunização, Ver Rita da Maia.
PÚBLICO-ALVO – O público estabelecido para a campanha nas suas três fases abrange pessoas com idade igual e acima de 60 anos, trabalhadores da saúde, profissionais das forças de segurança e salvamento, pessoas com doenças crônicas não transmissíveis e outras condições clínicas especiais, adolescentes e jovens de 12 a 21 anos, sob medidas socioeducativas, população privada de liberdade, funcionários do sistema prisional, caminhoneiros, motorista e cobrador de transporte coletivo, portuários, povos indígenas, crianças de 6 meses a menores de 6 anos de idade, pessoas com deficiência, gestantes, puérperas até 45 dias, adultos de 55 a 59 anos de idade e professores das escolas públicas e privadas.
PREVENÇÃO – Além da vacina, entre os principais cuidados que devem ser tomados para diminuir o risco de contaminação tanto do vírus da influenza como das Síndromes Respiratórias Agudas Graves (SRAG), está a higienização correta das mãos, o uso do álcool gel 70°, evitar compartilhar talheres, copos e alimentos, ao tossir ou espirrar deve-se proteger a boca e o nariz utilizando lenço de papel ou a dobra do cotovelo, fazer o uso de máscaras, manter os ambientes ventilados e evitar a aglomeração de pessoas também podem evitar o contagio da doença.
Os cuidados preventivos devem ser adotados continuamente. “São hábitos saudáveis que precisam ser praticados por todos para diminuir o risco de contaminação e disseminação não apenas do vírus da gripe, mas de uma série de outras doenças”, ressalta a coordenadora de Vigilância Epidemiológica, Acácia Nasr.
Ela alerta ainda para os sintomas da doença, que incluem febre alta (acima de 38°), dor muscular, dor de garganta, dor de cabeça e tosse. “Quando há suspeita de gripe, deve-se procurar os serviços de saúde para avaliação médica o mais breve possível e iniciar o tratamento com o antiviral específico. A pessoa nunca deve se automedicar”, lembra Nasr.
COVID-19 - Em tempos de pandemia pela Covid-19 é de extrema importância evitar o aumento de doenças respiratórias e a sobrecarga do sistema de saúde.
“O principal objetivo desta vacinação é reduzir as complicações, as internações e principalmente a mortalidade decorrente das infecções causadas pela influenza, facilitando, neste momento, a definição do diagnóstico de pacientes com suspeita de adoecimento pela Covid-19”, explica Beto Preto.
NÚMEROS – Os números de gripe atualizados nesta quarta-feira (03) pela Secretaria da Saúde mostram que de janeiro até agora o Paraná registrou 5.669 notificações de SRAG. Destes, 81 casos foram confirmados para o vírus de influenza com 13 óbitos no Estado.
Fonte: AEN/ PR

Da redação/ Sandra Laciuk

Nenhum comentário:

Postar um comentário