quarta-feira, 15 de abril de 2020

DÚVIDAS SOBRE O CORONA VÍRUS? VEJA COMO VOCÊ PODE TIRÁ-LAS

O Governo do Estado criou centrais de atendimento em todo o Paraná para prestar orientações e tirar dúvidas da população sobre o novo coronavírus. Em Curitiba, o serviço funciona junto com a Ouvidoria Geral de Saúde do Paraná, da Secretaria de Estado da Saúde. No Interior, estudantes e professores das universidades estaduais reforçam os canais de atendimento.
A Ouvidoria de Saúde atende todo o Estado pelos telefones 0800 644 44 14 ou (41) 99117-3500 (só recebe), pelo Whatsapp (41) 3330-4414 ou pelo site www.saude.pr.gov.br, no link da Ouvidoria.
A UEPG atende no número 0800 200 4300. A Unicentro no 0800 642 0019. A UENP no 0800 645 1525. A UEL no 0800 400 1234. A Unioeste no 0800 200 4501 (Cascavel) e 0800 200 4502 (Foz do Iguaçu).
Dentre as principais dúvidas referentes ao Corona Vírus que frequentemente estão sendo respondidas são:
Qual o período de incubação do COVID-19?
Período de incubação é o tempo entre ser infectado pelo vírus e o início dos sintomas da doença. As estimativas atuais do período de incubação variam de 1 a 14 dias, mais frequentemente ao redor de cinco dias. Essas estimativas estão sendo atualizados à medida que mais dados se tornam disponíveis.
Quando devo procurar o pronto-atendimento?
Os pronto-atendimentos são locais para atendimento de urgência e emergência e doenças graves. Outros atendimentos devem ser feitos nas Unidades Básicas de Saúde da rede do SUS ou nas consultas agendadas quando realizadas por convênio médico ou rede privada. No caso específico do coronavírus é importante entender que quando os sintomas não envolvem risco imediato de complicações (dor de garganta, dor no corpo, coriza, dor de cabeça, estado febril, infecção de ouvido, vômito e diarreia), o ideal é procurar o primeiro nível médico de atendimento, sendo as Unidades Básicas de Saúde no SUS e consultas marcadas nos convênios médicos e rede privada. Quando os sintomas envolvem casos de febre superior a 37.8 graus por mais de 24h e dificuldade respiratória, deve-se procurar um pronto-atendimento. A consciência na utilização do ponto correto de atendimento ajuda a não sobrecarregar os sistemas de saúde, e os profissionais ficam liberados para atender quem de fato é prioridade e necessita de auxílio médico. 
Em todos os casos é recomendada precauções de higiene: janelas abertas, ambientes arejados, evitar contato próximo entre as pessoas (beijo, abraço e aperto de mão), evitar troca de objetos pessoas (computador, caneta, telefone, copo, talheres), utilização de álcool gel 70% para higienizar mãos e superfícies, aumentar o número de vezes que é higienizado o ambiente e lavar as mãos com frequência.
Quais são os sintomas?
Os sintomas mais comuns são febre superior a 37,8 graus, tosse (geralmente seca) e dificuldade respiratória. Às vezes também pode ocorrer cansaço, dores no corpo e mal estar, dor de garganta e dor de cabeça. Raramente, mas podem ocorrer espirros, coriza ou nariz entupido e diarreia. É importante destacar que a relação dos sintomas é a mesma de um resfriado comum (com início gradual) e de gripe comum (início repentino). O que caracteriza a situação como suspeita de coronavírus é a presença de um ou mais sintomas comuns, podendo conter, ou não, os sintomas menos comuns, além do histórico de viagens a locais com grande número de infectados ou o contato próximo com alguém que tenha sido positivado no exame de diagnóstico da Covid-19.
Medicamentos que podem ser utilizados e as informações clínicas da doença.
Nesses casos, a orientação é ligar para as centrais de atendimento, para que os alunos façam uma análise clínica da situação de cada pessoa, tendo em vista a singularidade de cada caso. Desta forma, é possível identificar a situação individual e fazer as indicações corretas.
Da redação/ Sandra Laciuk

Nenhum comentário:

Postar um comentário