quarta-feira, 3 de abril de 2019

Dois meses depois, morte de Suelen ainda é um mistério em Turvo


A morte da jovem turvense Suelen Weber, de 18 anos, ocorrida em 2 de fevereiro de 2019 ainda segue em investigação na Polícia Civil. 

O delegado Bruno Miranda Maciozek, que comanda a delegacia de Pinhão, é o responsável pelo caso. O Portal RSN tentou contato com delegado, mas não conseguiu informações já que o profissional estaria em curso na capital.

Relembre o caso: Jovem vai à festa e morre no dia seguinte; circunstâncias ainda são um mistério

Suelen morreu no Hospital Bom Pastor, em Turvo, pouco tempo depois de dar entrada na instituição. Ela morava com a avó, que encontrou a jovem em seu quarto bastante machucada e inconsciente. 

A jovem havia saído na noite anterior.
A morte violenta da jovem gerou grande comoção e revolta nas redes sociais. Protestos e pedidos de Justiça tomaram conta da região.

Até o momento, a única informação confirmada sobre o caso atesta que a morte de Suelen foi causada por traumatismo craniano. No Instituto Médico Legal (IML) de Guarapuava, os resultados dos laudos toxicológico e do material coletado na região genital da vítima ainda não foram divulgados. 

O prazo para entrega dos exames é de 60 dias. Somente após a conclusão dos laudos será possível afirmar se houve relação sexual, consensual ou não.

Dias após a morte de Suelen, dois jovens suspeitos se apresentaram e prestaram depoimento. Eles são investigados por homicídio doloso. 

Na versão dos jovens, Suelen teria passado mal, com ânsias de vômito e ao abrir a porta do carro onde estava com os dois homens, teria caído e batido a cabeça.

O VW Gol utilizado pelos jovens estava em Campo Mourão e foi aprendido para perícia. 

Durante a investigação, profissionais do Hospital Bom Pastor, que atenderam Suelen, também prestaram depoimento.

 Da redação/Maria Farias

Nenhum comentário:

Postar um comentário


Ouça a Impactus FM