quinta-feira, 17 de maio de 2018

Vizinhos acreditam em versão de abuso e lincham professor até a morte em Curitiba


Um professor de capoeira foi linchado pela população até a morte na noite desta quarta-feira (16), no bairro Ganchinho, em Curitiba. Manoel Lourenço Gonçalves, de 47 anos, foi pego na rua após vizinhos acreditarem em uma versão de abuso sexual. 

Segundo os agressores, o professor era suspeito por mostrar as partes íntimas a crianças e mulheres. A família contesta essa versão e acredita na inocência do homem morto.

O crime aconteceu por volta das 23 horas, em um local próximo a um terreno baldio. 

Gonçalves estava na rua Del. Ozias Algauer quando, próximo a esquina com a Antonio José Bonato, vizinhos da região iniciaram as agressões. 

Ele não resistiu aos ferimentos e morreu. Os linchadores jogaram o corpo do homem em um terreno baldio, às margens da rua.

Não há informações concretas sobre a quantidade de pessoas que participaram do linchamento. No local, pessoas relataram  que o homem teria baixado as calças para uma criança de 10 anos, horas antes do crime. 

Ainda, segundo a população, o mesmo costume era feito pela manhã, às mulheres que saiam para trabalhar.

A família do suspeito nega a versão e diz que a criança terá que provar o que viu. “Além de contestar isso, a gente quer que ela prove, a gente vai para frente. 

Tem exames, tem terapeutas, essa criança tem que falar, mas isso não é verdade. É um ser humano que foi agredido até a morte, pessoas que dizem que chutaram o pescoço, a cabeça, uma coisa desumana. 

Primeiro que não é verdade, e se fosse verdade, temos uma justiça, tivessem chamado a polícia, então”, disse, sem se identificar.

Familiares disseram que, com ajuda da polícia, vão provar a inocência de Gonçalves. 

“A mãe dessa menina está em desesperada, chorando. Agora é tarde, queria perguntar para esses assassinos o que eles vão fazer quando a verdade vier? Aí é tarde, eles mataram um inocente”.

O suspeito não tinha antecedentes criminais e nenhum Boletim de Ocorrência (B.O) de abuso registrado. 

Nas redes sociais, diversas pessoas, entre amigos e familiares, estão chocados com o crime. “Não acredito que fizeram isso contigo, tanta crueldade, que Deus nos conforte porque não está sendo fácil, descansa em paz”, diz um dos perfis, com a foto do Gonçalves.

O caso já está sendo investigado pela Divisão de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP).

Da Redação/Maria Farias

Nenhum comentário:

Postar um comentário